Vitrines Da Vida

Na neblina

Beatriz sentia-se perdida em cada dia vivido.
Queria dar o melhor de si.
Sentia-se única, mas não sozinha.
Mas seu melhor não fora desvendado.
Quebrou seu coração por cada ganho e para provar o doce enfrenta o sofrimento.
Levantou e caiu tantas vezes.
Quis assim, ao se entregar a alguém tão distante da realidade.
Um homem enigmático. Vinte e poucos anos, atraente, aparentemente, uma embalagem extremamente bonita.
Beatriz precisava de um instante no tempo, porque foi mais do que pensou que poderia ser.
Foi levada para a escuridão seguindo os olhos cegos do coração apaixonado.
Todos os seus sonhos estavam a quilômetros de distância
E as respostas desapareceram na neblina profunda.
Corria sem destino.
Pensou que um amor pudesse ser eterno.
Existe amor eterno?
“As pessoas deveriam viver para serem melhores.”
Para ele, com ele traçou os planos mais perfeitos.
No entanto, agora precisa ser livre do tormento da perda.
Tudo começou na internet.
Horas e horas de conversas. Tantas coisas em comum.
As conversas tornavam-se interessantes. Aumentava a vontade de um abraço real.
Na webcam apreciaram de tantas maneiras.
Enfim, o tão almejado encontro.
A paixão foi arrebatadora.
Meses e meses se amando.
Beijos e tantas coisas mais…
Sonhos e mais sonhos.
Depois de tanta explosão a realidade triste.
“Eu preciso mudar o vento.”
Ele era casado. E dividia com ela seus sonhos não existentes no casamento quase fracassado, mantido por status, nada além.
Não podia mudar suas cores.
Mudar seus rumos.
O resultado é a saudade.

Compartilhar