Vitrines Da Vida

Naqueles braços

Nem tudo na vida é da maneira que a gente quer.
Não alcançar algo causa-nos um desconforto sem fim.
Uma sensação de fracasso… Uma fisgada de tristeza no fundo do coração. Isolar é a primeira ocorrência que nos passa na cabeça, desaparecer ou sair andando sem destino, e caminhar até as pernas falirem.
Nem às lágrimas aliviam tanta tristeza.
Assim acontecera com Amanda.
Dedicou-se totalmente ao amante, um jovem bonito, vinte anos mais novo, potente, sua razão de viver.
Naqueles braços sentia-se viva.
Naqueles braços sentia-se feliz.
Naqueles braços adormecia como uma criança carente.
Marcelo era tudo que tinha nesta vida.
Agora, enroscada no próprio corpo, chorava, desprezada nas suas meras fantasias.
Tristeza foi o que ficou…
Ah, se pudesse voltar no tempo!
Queria tê-lo mais uma vez e dizer – te amo.
Foram tantas promessas…
Foram tantos carinhos guardados para depois.
Foram beijos e abraços trocados por cobranças e ciúmes sem motivos.
Era a primeira hora sem ele.
Como vou suportar sua ausência – se questionava.
Recordava todos os momentos felizes e tristes.
Amanda já passara dos quarenta anos, porém sua beleza foi mantida. Dona de uma vaidade demasiada. Seus trajes acompanhavam as tendências da moda. Valorosas joias enfeitam suas orelhas e pulsos. O perfume importado irresistível. Realizava todos os caprichos do ser amado. Sem perceber o tinha como um alguém de estimação.
Na realidade, Marcelo no início sentiu uma paixão por ela, tinha dezenove anos. Tudo era novidade! Tantos exageros. Tórridas noites de amor.
O que sobreveio foi que Amanda deu mais valor às coisas materiais do que às sentimentais. Com isso, Marcelo começou sentir um vazio inexplicável. Como solução buscava fora o que faltava em seu relacionamento. Precisava de amizade, carinho e atenção. Por ironia do destino deparou-se com alguém que o fez sentir-se completo.
Entregou-se sem receio.
_Eu não tenho mais razão para ficar contigo – revelou inesperadamente e partiu rumo a felicidade.
Restou a Amanda deixar o tempo passar, somente ele cura todas as feridas.

Compartilhar