Vitrines Da Vida

O mesmo de antigamente

Mais de oitenta anos se passaram. Para ser exato oitenta e dois anos.
Mantinha a mesma postura da juventude.
Apenas a pele foi lesada pelo o tempo.
Os cabelos perderam o tom castanho vivo e tornaram-se brancos.
Diferente de muitos na sua idade, não toma nenhum remédio controlado.
Tudo ainda funciona perfeitamente.
A pressão arterial.
O coração.
Ativo sempre está lendo algum livro interessante e faz seus passeios pelo centro da cidade que já não é o mesmo de antigamente.
Sua companheira partiu há dois anos.
Os filhos tomaram seus rumos.
Os netos nos finais de semana fazem sua alegria.
“O único problema que tenho é na audição. Quando era jovem devido às extravagâncias na piscina perdi a audição.” – revela seguro, mostrando o aparelho.
Seu olhar opaco…
Na memória tantos momentos inesquecíveis.
Apesar de tudo sabe que está chegando à reta final.
“A gente sente quando está chegando a hora.”
Revela sem medo algum.
Sabe que viveu uma vida bem vivida.
De consciência limpa aguarda sua passagem.
Sem medo do inferno.

Compartilhar