Vitrines Da Vida

Nada além daquele abraço

Há tanto tempo não sentia uma paixão, dessas que nos faz cometer loucuras, tudo foi simplesmente sem explicação e uma ironia do destino para testar o seu querer.

Aqueles olhos a hipnotizou.

Foi seu tormento.

Foi seu desejo nos dias quentes que se seguiram.

Conheceu-o por acaso ao pedir uma informação no meio da rua, fora tão gentil, tão atencioso e ela nem sabe o motivo que pegara o seu número de telefone. Algo tentador nas próximas horas, assim que teve um tempo ligou sem receio, de impulso.

__ Olá, sou eu a moça do hotel – usou essa referência, pois a informação que pedira era a localização de um hotel, lá iria tomar um café com um amigo europeu.

__Nossa… não acreditei que me ligaria.

E marcaram um encontro.

No dia seguinte exatamente na hora marcada se encontraram, os dois sem graça, sem ter muito o que falar.

__ Que tal um almoço – sugeriu ela.

__ Quero comer batata com bacon – disse ele.

Ao fitá-lo se encantou. Era um jovem inteligente, falava bem, não usava gírias, com dezenove anos, corpo bem destruído, atlético, aquele tipo que chama a atenção devido a beleza da juventude e o jeito malandro de ser.

Ele comeu a porção de batata com bacon, e ambos tomaram um suco natural bem gelado, ela de limão, ele de maracujá.

Falaram um pouco sobre suas vidas, suas rotinas e objetivos.

E algum tempo estavam no quarto de um motel.

__ Que tal um banho? – perguntou ele, já se despindo e deixando a mostra todo seu corpo desejável.

Não houve recusa.

Tomaram um bom banho, ficaram um pouco na banheira de hidromassagem e na sauna.

__ Muito bom isso – falou ele – muito relaxante.

Estavam cada vez mais próximos, as mãos se tocavam, mesmo sem querer, era instantâneo, o desejo estava à flor da pele.

Ele soltou a toalha da cintura e se mostrou sem pudor algum, ela sentiu lhe faltar o ar. Apreciava intacta aquela bela paisagem.

__ Veja como estou – exibiu seu objeto pronto para o uso.

Ela aproximou-se e o abraçou, sentindo aquela pele macia, quente… aquele abraço lhe causou uma sensação esplêndida.

__ Me abraça forte – e sentiu aqueles braços masculinos entrelaçando seu corpo em deslumbre de desejo.

Assim permaneceram algum tempo. No calor da sauna quente, na fumaça que inebriava o cenário.

Agora, parada, calada, dominada pela paixão, pensa nele e não consegue compreender como não se entregara naquele instante.

Não se permitiu passar das primeiras carícias, não permitiu que ele fosse além daquele abraço que a deixou sedenta e apaixonada.

O jeito é aguardar o próximo encontro.

Compartilhar