Vitrines Da Vida

Uma hora amarga

Quem pode apostar na segurança do amor?
Quem saberá o futuro sentimental?
O jeito é se arriscar, mesmo que não dure para sempre. O amor é cheio de mistérios – como a luz do sol depois do anoitecer. Dois corações apaixonados precisam se entregar sem receio algum, mas Brigitte e Alain mesmo se amando muito, em certos momentos tinham os corações dessintonizados.
Viviam na romantiza Paris – ninguém pode negar , Paris é muito romântica.
Brincavam de esconde-esconde entre as colunas do Palais Royal.
Encontravam-se sempre… almoçavam juntos.
Buscava-a em frente um hotel entre as avenidas dos Champs Elysées e Avenue Mantaigne, pois Brigitte trabalhava ali perto. Surgia, encantador, num carro do ano de cor verde. Elegantemente Brigitte entrava e se acomodava ao lado seu amor.
As tardes eram sensacionais.
O mundo parava… esqueciam de tudo ao redor.
Quanto desejo contido!
Porém naquele outono tudo mudara, de repente.
As mãos se encontraram casualmente… o olhar amedrontado dele nos olhos apaixonados dela.
O primeiro beijo começou tímido e aos poucos tornou-se profundo e faminto. Os carinhos sensacionais. As carícias iam por lugares mágicos.
E os anos passaram…
O casal viviam memoráveis momentos de amor. Na cama “viviam” com afinco cada gesto.
Experimentaram-se de todas formas.
Entre a respiração ofegante, as palavras soavam declarando: eu te amo… eu te amo muito, minha vida… quero ser sua para sempre… quero cuidar de você… te amo, te amo, te amo!
E os movimentos aceleravam fazendo-o entrar em erupção… explodia…
A respiração dele tornara-se mais ofegante, por mais alguns minutos beijava-a com paixão. Aos poucos o carinho e o desejo cessavam.
Brigitte sentia-se morta-viva, falida na realização. Sua explosão continuava contida. Seu amado não percebia que ela precisava também explodir. Para fazê-lo perceber tentava recomeçar os carinhos, em vão…
Como dizer a ele para me realizar – pensava. Tudo tinha que acontecer naturalmente, senão perderia a magia. Como dizer a ele: divida comigo essa vontade… quem sabe seja da natureza masculina, esse egoísmo em se preocupar somente com seu desejo e realização sexual.
E sua fogueira continuava queimar dentro do coração.
Hoje ainda são extremamente apaixonados. A rotina sempre é a mesma.
– Com quem está? – Brigitte se pergunta após cada ato de amor.
Sente-se apunhalado pelas fantasias estupidas de querer se realizar… explodir feito um vulcão. Sua vontade é viajar por outros caminhos, mas que história poderia ser mais importante para separá-los?
E as horas, se arrastam, amargas.

Compartilhar