Vitrines Da Vida

Uma escolha

Em busca da felicidade e de alguns ideais, Luciano, não media as consequências para tomar certas atitudes. Jovem acostumado a ter tudo que queria quando criança, ao tornar-se adulto, teve que aprender a viver. E para ele não foi nada fácil.
Casou-se cedo demais.
Logo vieram as crianças, pois a esposa tivera gêmeos. Luciano trabalhava na época em uma grife num shopping. Dormia até meio-dia. Acordava, tomava banho, almoçava e ia para o trabalho que se iniciava às quatorze horas e encerrava-se as vinte e duas.
Em pouco tempo subiu de cargo, foi promovido a gerente. Foi então, que tudo ia se complicar.
Luciano tinha uma renda de quatro salários mínimos, porém gastava mais do que podia. Além de sustentar sua pequena família de maneira limitada, adorava as baladas, roupas boas…
A esposa não podia trabalhar, porque para se pagar uma babá, ao invés de aumentar a renda, iria diminui-la.
Luciano juntamente com um vendedor que, assim como ele trabalhava ali há anos, começou a roubar as peças de roupas e revendê-las, em uma semana ele ganhava mais que seu salário mensal. Ele e o vendedor foram sem perceberem perdendo o limite, e a clientela externa e ilegal aumentava surpreendentemente.
E passaram mais de dois anos.
Luciano comprou um bom carro, construiu uma bela moradia. Na sua casa a fartura era nitida, incluindo os churrascos e comemorações nos finais de semanas. Enfim, vivia um vida de luxo.
Certo dia, recebeu a ligação de um cliente assíduo, encomendara diversas peças, o que lhe renderia o melhor lucro de todas as vendas efetuadas até aquele momento. Ficou eufórico e feliz, já até sabia em que investiria o dinheiro – trocaria o carro.
Com o amigo, num sábado a tarde, foram entregar, felizes, a mercadoria.
Ao chegarem no local se surpreenderam ao se depararem com o dono da loja.
E tudo se desmoronou!
Luciano perdeu tudo. Por piedade do patrão não fora denunciado, porém foi despedido sem direito a nada. Com o tempo foi vendendo tudo que adquirira.
Difamado no mercado não restou-lhe outro sugestão senão a de viver de “bicos”.
Atualmente revendo sua vida, ele se depara com sua triste escolha.
Ah! Se eu pudesse voltar atrás – cobrava a si mesmo todos os dias.

Compartilhar