Vitrines Da Vida

Traída pelo coração

Traída pelo coração vivia amargurada por amar um homem tão distante do que sonhara. O sonho de adolescente assassinato pela realidade do amor sem limite.
Gina com trinta e poucos anos cultiva uma beleza invejável. Corpo perfeito, boca atraente, seios fartos, olhos brilhantes, cabelos louros naturais. Uma empresária bem sucedida. Não veio de família rica, trabalhou muito para administrar sua rede de salão de beleza, o mais importante da capital.
Ao conhecer Silas há dez anos, apaixonou-se sem razão, embora nunca admitisse sua paixão descontrolada.
Logo se casaram.
A cerimônia fora simples e restrita aos familiares.
Ele despertava a raiva das pessoas.
Com suas palavras de censuras.
Sua face cáustica. Sua voz quase incompreensível de tão fanho.
Não podia ser acatado um homem bonito. Tinha um jeito comum. Nada exclusivo. Nada distinto.
No entanto, Gina entregou-se sem reservas e quando percebeu estava dominada.
Com o tempo ele mostrou-se arrogante.
Uma pessoa desagradável.
Antes de ir para casa, sempre passava num bar e “enchia a cara”.
Muitas vezes aparecia somente na antemanhã.
Bêbado…
Falando o que devia o que não devia.
As pessoas do convívio de Gina que tinha conhecimento da situação achavam um absurdo aturar uma pessoa desequilibrada como ele.
A tristeza passou a ser a companheira dela.
Fumava um cigarro após o outro.
Nas noites de espera ia para o telefone e, permanecia, horas desabafando com um e outro.
Este era o preço de se casar sem conhecer direito o parceiro.
Risco que muitos casais se expõem hoje ao se deleitar nos efeitos da paixão.
Enfim, separar Gina não vai.
Seria muito amargura viver sem o cheiro de seu amor.
Vai vivendo na esperança de que com o tempo ele amadureça e mude, naturalmente.
O coração vai vivendo como louco…
A alma vai vivendo de ilusão.
Ou quem sabe um dia possa dizer seguramente:
_ Deixei de te amar.
Pode também ser simplesmente uma mentira criada para ameigar a dor.

Compartilhar