Vitrines Da Vida

Ilusão da volta

Sofria demais com a saudade que batia na porta todos os dias, logo, pela manhã.
Escrevia para seu amor. Mandava e-mail’s. Mensagens pelo celular. Tudo para dizer que estava morrendo aos poucos de saudade.
Mulher linda. Dessas que chama atenção por onde passa. Bem de vida. Sua carreira profissional era puro êxtase.
No amor tudo estava desmoronado.
Ana não amou o primeiro namorado, nem o segundo e nem o terceiro, foram paixões dessas que passam feito chuva de verão. A saudade e a falta sumiam em uma semana.
Ao conhecer Fernando seu quarto namorado conheceu também o que é o amor.
Ele fora seu primeiro amor.
Entregou-se sem medo. Deu-se completamente para ele.
Viveram mais de um ano grudados.
Tanto fogo.
Agora, queria somente acertar com seu coração. Precisava de uma chance.
Fernando não a amava. Jovem de vinte e poucos anos queria era curtir a vida. Baladas e boca diferentes.
Portanto, não sofrera nada com o fim do relacionamento ocasionado por uma aventura sexual após uma noite de bebedeira.
E essa noite se repetiu por meses, fazendo-o afastar de Ana cada dia mais.
Terminou o namoro sem explicações.
Fê-la perder o chão…
“Eu não sabia que um amor não correspondido era tão dolorido. Preciso saber se meu amor pensa ou apenas se lembra de mim.”
Ana precisava urgentemente de uma receita para esquecer esse amor.
Dizem que somente o tempo resolve a situação, mas dizem também que só se esquece de um amor quando um novo amor encontrar.
E enquanto nada disso acontece, ela vai sofrendo. Lentamente… sente um punhal afiado dilacerar-lhe o coração.
Derrama lágrimas e mais lágrimas.
Vive sem motivos.
Nada têm sentido.
Tudo perdeu o brilho.
“Vou guardar tudo de bom para você.”- promete a si mesma.
Encontra-o nas esquinas das ilusões, nos CD’s, nos livros, nas bocas que não são nada do que quer.
“Que saudade que sinto das coisas que o tempo esqueceu…”
Acorda, trabalha, conversa com tantas pessoas nos seus dias tão iguais.
Dorme aninhada no próprio corpo.
Tudo fá-la lembrar dele.
Foi o que restou depois do amor…
A ilusão da volta…
“Triste é notar que você foi e não voltou.”
Ana tornou-se uma mulher marcada.
Marcada pela perda do seu primeiro amor.
Ela precisa olhar ao redor…

Compartilhar