Vitrines Da Vida

Haverá tempo?

Handel foi um jovem que tinha tudo para ter uma vida de êxito.
Possuidor de beleza, educação, simpatia. Sempre cativava às pessoas e assim ganhava a confiança delas.
Despedaçou os corações apaixonados de muitas garotas.
Na adolescência conheceu os efeitos da maconha. Nas noites de baladas, fumava um baseado e bebia exageradamente. Com isso perdia o ânimo para o trabalho, e menos de três meses, tornou-se seu tempo em diversas empresas que passou.
Certa noite experimentou cocaína, sentiu-se tão leve, tão feliz, tão seguro! Seu coquetel diário: maconha, cocaína, bebidas e sexo.
Mas foi no crack que demoliu ainda mais sua confusa vida.
“Noiava” sem demarcação.
Aos poucos amigos, que ainda confiavam nele, prestava algum serviço, em troca de cinco ou dez reais, depressa, para poder comprar uma pedra, fazer um “berel” e saciar sua “fome”.
Com o tempo sua feição, como em todos os casos semelhantes, foi-se assim tipo as folhas verdes no inverno.
Passou a cometer pequenos furtos.
Foi detido algumas vezes, porém ficara pouco tempo – no máximo um mês.
Apanhou demais dos agentes policiais corruptos que não respeitam os Direitos Humanos. Foi humilhado e teve a autoestima assassinada. Passou sentir-se uma nada… um zero a esquerda.
A próxima etapa foi o tráfico, só que em muitas vezes perdia o controle e usava toda mercadoria. Ficara na mira dos chefões do tráfico. Fora surrado e no seu corpo defasado pela sua escolha, bordou-se tantas cicatrizes, cada uma representava um erro, um trago, um “teco”, uma “noiada”.
Fora preso mais algumas vezes…
Os amigos de farra, por temor, se afastaram.
Handel ficara ainda mais sozinho, mais exposto aos riscos. Completando sua fracassada trajetória, tivera uma filha. A mulher presenteada: uma pessoa fútil até aparentemente.
Hoje Handel vive em um presídio próximo a capital mineira. Seu coração ambiciona ao menos uma visita para sentir menos a solidão.
No entanto, ninguém quer se submeter a ir visitá-lo, o processo para tal permissão é humilhante, a revista é feita de maneira desonrosa. Até os orifícios são revistados.
Por de trás dos muros altos, sob a mira de metralhadoras, Handel vai repensando sua vida. Têm trinta e dois anos, quando sair dali, provavelmente, estará com quarenta e cinco, talvez possa reescrever sua história e recomeçar de novo.

(Infelizmente baseado em uma trajetória real)

Compartilhar