Vitrines Da Vida

Esperando a morte chegar…

Vieram de famílias humildes.
Conheceram-se jovens e se casaram alguns anos depois.
Casal reservado.
Casal frio…
Um casal orgulhoso.
De poucos amigos.
Tinham tantos planos.
Assalariados, tentavam se virar para pagar as despesas do mês, inclusive o aluguel de onde moravam.
Dois anos depois veio a primeira filha – possuidora da síndrome de down.
Para ela isso era a morte, pois não sabia lidar bem com essas pessoas.
_ Porque comigo? – se perguntava em tom de lamento a si mesma.
Algum tempo depois o casal tivera mais uma filha.
Carregavam a vergonha da primogênita.
Acusavam-se…
Ele a culpava.
Tornou-se uma esposa impregnadora de culpa e se consumia numa amargura indefinida.
E o tempo passou.
Foram tempos de luta.
Hoje o casal ainda vive junto.
Alinharam-se financeiramente.
Boa casa.
Carros do ano.
Mas ainda carregam a angústia de tantas coisas sem explicação.
Vão vivendo somente por viver.
Nada tem sentido.
Nada traz felicidade.
Viver tornou-se simplesmente uma obrigação, alternativa não há senão esperar a morte chegar.
Olhando para o passado…
Lembranças!
Quantas lembranças…
Dele…
Dela…
Quando não tinham bens sentiam-se mais felizes.
No entanto, jamais trocariam qualquer bem pela felicidade.
Continuam num mundo singular que criaram para viver melhor.
Não comem bananas para não jogar as cascas fora.
Mesmo disfarçando são providos de ganância e mesquinharias.
Os míseros amigos sentem pena, mas nada fazem e nem podem fazer, afinal cada um colhe o que planta.
E, logo, agora que poderiam ser tão felizes.
Continuam esperando a morte chegar!
Nunca serão capazes de mudar!
Nem ele…
Nem ela…

Compartilhar