Vitrines Da Vida

Como uma luva

Mentia mesmo sem querer.
As coisas mais bobas que poderiam ser ditas sem receio, mas ela mentia.
A mentira tornou-se sua ”noia”.
Por pior que a pessoa seja – há sempre a esperança de mudança. Afinal a natureza humana ainda não faliu as esperanças…
De dias melhores…
De tantos sonhos realizados…
Naquela tarde de chuva forte, caminhou pelo shopping apreciando as vitrines. Pensando na vida.
Algum tempo depois tomou um café forte – assim era seu gosto para cafés.
Entrou numa livraria e ficou a apreciar uma contadora de história.
Aquelas palavras serviram-lhe como uma luva.
“Um dia, a Verdade decidiu visitar os homens, sem roupas e sem adornos, tão nua como seu próprio nome.
E todos que a viam lhe viravam as costas de vergonha ou de medo, e ninguém lhe dava as boas-vindas. Assim, a Verdade percorria os confins da Terra, criticada, rejeitada e desprezada.
Uma tarde, muito desconsolada e triste, encontrou um linda mulher, que passeava alegremente, trajando um belo vestido e muito elegante.
— Verdade, por que você está tão abatida? — perguntou simpaticamente a mulher.
— Porque devo ser muito feia e antipática, já que os homens me evitam tanto! — respondeu amargurada.
— Que bobagem! — Sorriu a linda mulher — Não é por isso que os homens evitam você. Tome. Vista algumas das minhas roupas e veja o que acontece.
Então, a Verdade pôs algumas das vestes da mulher, e, de repente, por toda parte onde passava era bem-vinda e festejada.

Compartilhar