Vitrines Da Vida

A chave do seu coração

Sem perceber em algum momento na vida, você entrega a alguém a chave do seu coração e somente este alguém será capaz de te fazer feliz… este  alguém será seu único, verdadeiro e eterno amor, mesmo que atualmente vocês estejam em caminhos diferentes e em outros braços.
Depois de muitos anos os feitos do destino preparou para Bianca um presente.
Almejou tanto por essa vivência…
Por tempos esperou por ele. Até tentou achar alguém com aquele sorriso, aquelas mãos, enfim aquele jeito. Desde que ele seguiu outros rumos, tudo perdeu o valor, Bianca não conseguia esquecê-lo. No seu coração trazia a convicção que outro alguém jamais poderia amar, e tinha total razão.
Agora deitada naqueles braços, sentia o bater do coração do homem que sempre amou. A respiração ainda ofegante fruto do ato de amor, ocorrido há apenas alguns minutos. Ali naquele aconchego maior recordava seu primeiro olhar para Cauã…
O amor é perfeito e imperfeito nas suas artimanhas.
Entrou depressa naquela loja, jogou a bolsa sobre o balção e ainda com o celular no ouvido, pediu:
_ Preciso de… – fora comprar algum suprimento de informática. Ficou tão perdida ao fitá-lo que até se esqueceu do pedido.
Cauã tinha uma beleza incontestável. Pele clara, corpo atlético. Um jeito tão sensual de falar. Uma fisionomia fantasiosa. Fazia sem saber as mulheres imaginá-lo na cama.
Na época ocorreu somente um beijo e nada mais. Porém fora o suficiente para deixá-la apaixonada. Foi seu primeiro amor. Bianca até se envolveu com um e outro, mas nenhuma das paixões superou seu verdadeiro e primeiro amor.
“ Só com ele me sinto feliz…. preciso do seu amor”, – carregou esse fardo tanto tempo, que já perdera as esperanças de tê-lo.
Naquela manhã inesperada  se depararam.
Os encontros aconteciam um após o outro.
Um novo beijo, um inédito abraço…
Todas novidades dos corpos foram exploradas com anseio infinito.
O calor dos corpos…
Os gemidos de vontade… e quanta vontade!
Estavam preenchidos com paixão e ardor. Se amavam como nunca amaram ninguém… sem pressa.
Abraçou-o com mais força, começou a beijá-lo e todo ato recomeçou… como as ondas do mar.
“ Eu te amo e te esperaria por toda a vida” – pensava ela.
As horas pararam…
Oito meses depois se casaram e viveram felizes desfrutando de muito amor… o mesmo amor que Bianca guardou durante muitos anos dentro do coração.
Ninguém jamais conseguira a chave para abri-lo, pois entregou-a a Cauã em pensamento, desde que o viu pela primeira vez.
O amor não se cansa de esperar…
Sem perceber em algum momento na vida, você entrega a alguém a chave do seu coração e somente este alguém será capaz de te fazer feliz… este  alguém será seu único, verdadeiro e eterno amor, mesmo que atualmente vocês estejam em caminhos diferentes e em outros braços.
Depois de muitos anos os feitos do destino prepararam para Bianca um presente.
Almejou tanto por essa vivência…
Por tempos esperou por ele. Até tentou achar alguém com aquele sorriso, aquelas mãos, enfim aquele jeito. Desde que ele seguiu outros rumos, tudo perdeu o valor, Bianca não conseguia esquecê-lo. No seu coração trazia a convicção que outro alguém jamais poderia amar, e tinha total razão.
Agora, deitada naqueles braços, sentia o bater do coração do homem que sempre amou. A respiração ainda ofegante fruto do ato de amor, ocorrido há apenas alguns minutos. Ali naquele aconchego maior recordava seu primeiro olhar para Cauã…
O amor é perfeito e imperfeito nas suas artimanhas.
Entrou depressa naquela loja, jogou a bolsa sobre o balcão e ainda com o celular no ouvido, pediu:
_ Preciso de… – fora comprar algum suprimento de informática. Ficou tão perdida ao fitá-lo que até se esqueceu do pedido.
Cauã tinha uma beleza incontestável. Pele clara, corpo atlético. Um jeito tão sensual de falar. Uma fisionomia fantasiosa. Fazia sem saber as mulheres imaginá-lo na cama.
Na época ocorreu somente um beijo e nada mais. Porém fora o suficiente para deixá-la apaixonada. Foi seu primeiro amor. Bianca até se envolveu com um e outro, mas nenhuma das paixões superou seu verdadeiro e primeiro amor.
“ Só com ele me sinto feliz…. preciso do seu amor”, – carregou esse fardo tanto tempo, que já perdera as esperanças de tê-lo.
Naquela manhã inesperada  se depararam.
Os encontros aconteciam um após o outro.
Um novo beijo, um inédito abraço…
Todas novidades dos corpos foram exploradas com anseio infinito.
O  queimar dos corpos…
Os gemidos de vontade… e quanta vontade!
Estavam preenchidos com paixão e ardor. Se amavam como nunca amaram ninguém… sem pressa.
Abraçou-o com mais força, começou a beijá-lo e todo ato recomeçou… como as ondas do mar.
“ Eu te amo e te esperaria por toda a vida” – pensava ela.
As horas pararam…
Oito meses depois se casaram e viveram felizes desfrutando de muito amor… o mesmo amor que Bianca guardou durante muitos anos dentro do coração.
Ninguém jamais conseguira a chave para abri-lo, pois entregou-a a Cauã em pensamento, desde que o viu pela primeira vez.
O amor não se cansa de esperar…
Compartilhar