Adaptações

O lenhador e a raposa

Naquela singela fazenda morava um esforçado lenhador.
Todos os dias, acordava às seis horas da manhã, ia para o trabalho e lá permanecia o dia inteiro.
Sua mulher morrera há alguns meses.
Por esse motivo, durante sua ausência, quem tomava conta do seu filho pequeno era uma raposa. Tinha um imenso carinho e tratava-a como bicho de estimação, muito, muito especial. Era de sua total confiança.
Todos os dias dizia a ela:
_ Cuide de nossa criança, minha amiga! – passava a mão carinhosamente em sua cabeça.
E nas noites, ao retornar do trabalho, a raposa ficava feliz com sua chegada. Seus olhos até brilhavam de felicidade.
Seus vizinhos alertavam-o:
“Essa raposa é um animal selvagem e perigoso. Não é um bicho confiável! Quando ela sentir fome, comerá a criança”.
O lenhador, sempre retrucando-os, dizia convicto:
“A raposa é minha fiel amiga e jamais fará isso”.
Porém eles insistiam:
“Lenhador, abra os olhos! Quando sentir fome, comerá seu filho!”
Mesmo sem acreditar, o vírus da desconfiança havia contaminado o lenhador.
Em uma das noites, o lenhador chegou muito exausto do trabalho. Viu a raposa alegre, correndo em sua direção, com a boca ensanguentada.
Suou frio e, recordou o alerta dos vizinhos, sem pensar duas vezes, acertou o machado na cabeça da raposa, matando-a.
Ao entrar no quarto desesperado, encontrou seu filho no berço dormindo tranquilamente e, ao lado do berço, uma cobra morta.
Fora tarde demais para voltar atrás.

(Adaptado de um conto popular)

Compartilhar