Adaptações

Inesperados ventos

É preciso resistir…
E como é preciso!
Resistir igual às árvores e as montanhas, que suportam os mais inesperados ventos.
Muitas vezes, precisa-se fingir que não ouve; ou deixar que a mágoa encontre, em seu coração, o túmulo silencioso.
É necessário acreditar.
Mesmo quando os fatos o negam, quando o sofrimento é a recompensa, é preciso lutar por aquilo em que se acredita. Pois, para aquele que retorna a meio caminho, de nada valeram os sacrifícios da jornada.
Mesmo quando a vida parece um fardo, quando de todos os lados a tristeza faz sentir a sua presença, é necessário seguir. E da fraqueza extrair forças, para um dia alcançar a felicidade.
Por isto, não se deve desesperar ao ver ruírem os seus castelos; tente erguê-los novamente.
Muitas vezes, a diferença entre o fracasso e o sucesso é uma tentativa a mais.
E não é sábio aquele que maldiz o seu destino, ou por ele se incrimina, e sim o que se esforça para torná-lo melhor.
Em qualquer situação, mais vale uma canção de esperança que palavras de amargor. Pois a angústia não trará soluções aos problemas; antes os fará parecer maiores, roubando-nos a coragem para resolvê-los.
E, por certo, não é com a amargura de hoje que se construirá um doce amanhã.
Meditai sempre, sobre os seus problemas. Pois é junto ao seu verdadeiro Eu que encontrará as melhores respostas.
Lembra-se que a cada taça de fel corresponde uma taça de mel. Porém não sentirás o sabor do mel que a vida coloca em seus lábios, se o seu paladar se obstina em ater-se ao fel.
E assim procede quem apenas enxerga as dificuldades da vida, desprezando as oportunidades que recebe a cada dia. Pois a quem distribui o fel, dificilmente será ofertado o mel.
Por isto, resista à amargura. Assim encontrará o seu verdadeiro Eu, a força de que necessita para construir o futuro.
E encontrar a felicidade.
Em todos os dias do ano… em todos os dias de sua vida.

(Texto adaptado de Hassan)

Compartilhar